Processo

E como é o processo de trabalho?

Para projetar a melhor experiência é preciso pesquisar e conhecer as necessidades e dificuldades dos usuários. Desenvolver uma estratégia envolve exploração e pensamento sistêmico. É preciso encontrar um modelo que guie e ajude a enxergar todas as conexões num quadro geral. Ao fazer isso, a estratégia se torna mais simples de ser alcançada e faz com que um conceito abstrato se torne mais tangível para todos os envolvidos.

1 – Primeiro, a fase da descoberta

Valorizo a importância de ouvir e entender para criar ótimos produtos. Adoro conversar, debater, esboçar, facilitar conversas e cocriar com os usuários. Quero entender as motivações, metas e contextos. Uma vez que tenhamos claro seus objetivos, é possível ultrapassar os limites e explorar novas direções

2 – Depois, começo a pesquisa

Os métodos de pesquisa que utilizo sempre dependem do projeto. Essa é a etapa em que mergulho na realidade do usuário, compreendo suas necessidades, hábitos, motivações e contextos de uso. Assim como também é o momento de entender o negócio e o mercado que ele está inserido e sua concorrência.

3 – Começa a fase da arquitetura da informação

Quando o caos começa a ter ordem. Uso a visualização para modelar ecossistemas, comunicar descobertas de pesquisas e entender para propor soluções.

4 – É chegada a hora da prototipação

Os protótipos podem ser de baixa, média ou alta fidelidade. É a fase de gerar soluções, criar e cocriar propostas baseadas em toda a pesquisa feita anteriormente. São estudos mais assertivos, pois já se compreendeu o problema real a ser solucionado, o modelo mental das pessoas que utilizam o produto e o mercado no qual ele está inserido, além de já ter uma organização do fluxo das informações.

5- Por fim, o teste

A etapa de testar a proposta é crucial para verificar se o produto será entendido como o esperado, se atende à expectativa e se o valor é percebido por quem usa o serviço, além de antecipar dificuldades de usabilidade do projeto para que possam ser aperfeiçoados.

6 – Várias iterações…

Esse processo funciona em rodadas de revisões que culminam no resultado. As etapas não são necessariamente lineares, ou têm tempo definido. Cada projeto é único, o processo depende de sua complexidade e da estratégia de UX.

7 – E uma versão está pronta para ser produzida!

Só depois que vem o desenho da Interface (UI), o front-end (html), o back-end (programação) e o lançamento. Essa parte não é de responsabilidade do profissiinal de UX, mas acho importante deixar claro para quem não conhece o processo, que o UX é uma fase de estratégia e planejamento que minimiza erros e evita retrabalho nas fases mais adiantadas do projeto. Para alguns, o UX pode parecer perda de tempo, mas já está provado que não é. Esse tempo que parece perdido no início se ganha de forma exponencial na fase de implementação. Vale muito a pena. 🙂